SEGUIR POR E-MAIL

segunda-feira, 8 de julho de 2013

O PRISIONEIRO





Nem quando adormeço escapo de mim:
Prisão febril dos meus pesares mais queridos
De asas azuis e olhos de luar
- pétalas, não mãos -

Cavalgo alazão sobre o mar
 - Vozes, não canção = 
E desmaio pelado no altar
 - missa, não missão -

No sonho quem espanta sou eu
Quem abisma
Quem pasma
Quem desmaia no sonho sou eu


Nem quando adormeço escapo de mim:
Prisão febril de meus prazeres mais sofridos




Nenhum comentário:

Postar um comentário