Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Maio, 2010

ALIÁS

Se eu acreditasse na poesia Talvez um rabisco fosse uma estrada sem curvas E talvez até houvesse um jardim sob o asfalto
Mas só creio nos aliases... aliás
Se eu mordesse a poesia E sentisse dela o sabor dos versos mastigados Se eu cheirasse a poesia E alucinasse e me drogasse e me jogasse Sem asas sem pressa sem aliases Entre um e outro verso Num espaço que nem há – sim – O espaço do aliás Aliás, se há poesia Só há porque nela não creio Esse nunca não crer Esse nunca não querer
Se eu me tornasse poesia E virasse de repente um verso Sem reflexo sem avesso sem netos E fosse uma poesia sem sexo Sem nenhum aliás... aliás
Só assim a poesia há Só assim há mim. Sem mim sem aliás sem fim

Se vi nem sei. Nem sei se ouvi. Os olhos, parece, olharam sem piscar
Como não piscam os girassóis...
                                           Se o sol que os faz girar não cessa de solar                                            Como podem girassóis a sós só piscar?
Se vi nem sei. Nem sei se ouvi Ontem o tempo me olhou nos olhos Sem piscar, parece, nos olhos sem pousar                                            Como não pousam os planetas                                            Se o sol que os faz girar não cessa de solar                                            Como podem planetas em nós nos pousar?
Sim , vi, nem sei. Nem sei. Ouvi.
                      Foi só um cisco
                                 Um cisco. Foi.
                                 Um cisco só.