Pular para o conteúdo principal

DESMORONAMENTO












Ah, se eu fosse algum parnasiano
Como seria bom viver!
Ou fosse eu algum árcade 
ou bossa-nova!

tudo forma todo molde

Ah, como seria doce e como seria leve!
Viver de brisa como vive a brisa
e de orvalho como o próprio orvalho...

Mas que nada...
sou mais B
arroco que Tropicália,
mais B
yron que João Gilberto...

Como do tarô a morte
o enforcado,
a torre, 
o diabo...
sou este ser assim pesado
este avesso em si mesmo talhado
este 
des mo 
ro 
na 
men to...

um atraso, um ataque
um pileque, uma ressaca...

Este quase esquecimento de nomes e datas
Este peso
Este peso

Se não fosse o peso do que sou
se não fosse o peso...
Ah, seria eu um poema 
a flutuar parnasiano
numa praia lerda num postal
... antes da faísca, 
depois do Carnaval
... antes do cisto, 
depois ... 
bem depois do Natal











Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

INSINUAÇÃO

Cabe um brevíssbimo eco no fim do último olhar ...
Pouco antes do jamais.
Entre o agora e o talvez.

Mas este eco pode ficar assim calado
Durar noites inteiras de lua cheia e chão vazio
Ou somente olhar o mar e dentro dele o navio
Eternamente a afundar...

Não sei.

Prefiro assim:
Deixo escorrer do olho o olhar
E só
 - nem eco nem silêncio -
Tudo mera insinuação.






TARDE DEMAIS

Desço, só, o desfiladeiro sombrio de mim mesmo
Amanheço veias cansadas como rios sujos
Amanheço velhas pancadas no ouvido surdo
Amanheço, mas só porque me amanhece o dia já quase sem manhã...

Amanheço na marra, à forca, a fórceps
Amanheço à espera da nova noite noiva
Que me desposará pra fora do que me fala quando me falha a fala.

Amanheço.
Não. Não amanheço de fato
Antes escureço
É dia no meu fuso e eu escureço

Escureço enquanto o dia, lá fora de mim
Exerce seu papel mesmo e mesmo aos outros que não eu...
Enquanto o mundo escorrega sombras
Eu, sozinho, mudo e morto
Me mudo nu pro quarto dos fundos
Depois dos muros já velhos de perdas e escombros
Num sopro turvo, no último assombro já há muito esquecido

Na cortina cerrada que me escurece o palco, o quarto e eu...
Num resto de socorro gasto...
No tarde demais.

E a noite amortece câimbras.

SE O RELÓGIO...

Se o relógio só pode marcar um instante a cada instante...
Vive, pois, de matar e desmatar instantes o relógio

É como a queda
d'água parada diante da própria queda
ou como o paraquedas
aberto depois do fim da queda

É como o suicida que desiste do suicídio embaixo do trem
ou a viúva que insiste no esposo depois do último palmo de terra

Se o relógio só marca o agora
então ele nada marca
O ponteiro do segundo
é um eterno atraso lento
somado a um pra sempre amanhã
é o intervalo
entre o fôlego e o afogamento
a ponte entre o nunca e o tanto faz
a janela aberta pra dentro
o piano sem cordas
a corda no pescoço morto
a pena na mão muda
a derradeira palavra vã
que dita é poeira no vento
e muda é poesia sem ventre...
é nada

Se o relógio só marca o agora
ele,
então,
marca o nada.