SEGUIR POR E-MAIL

domingo, 19 de janeiro de 2014

A CAMINHO






E o tempo foi aos poucos me gastando
me roubando de mim mesmo
e hoje sou menos que meio homem 
do homem que fui
menos que meio passo
no passo que esqueci no ar
- solto no ar -
distante do chão
distante de mim
distante do caminho caminhado
e do caminho ainda a caminhar

Hoje não alcanço os pés com as mãos
nem me atrevo a catar canções
em sinfonias de noites, ruas, solidões
ou cantar sonhos de mil amanhãs...
o tempo me cortou ao meio
e hoje meio eu, meio nada
caminho quieto dentro de mim
e espero lento o tempo 
de minhas duas metades, enfim,
juntas se acalentarem...
se acolherem...
dormirem.






terça-feira, 14 de janeiro de 2014

NU ESPELHO






Quem sabe de teu destino, 
oh, meu velho e bom menino?





de boné,
mochila,
bermuda,
camiseta
e fone no ouvido...






Que música será que escuta?
Por que ondas 
teu pensamento anda?
Em que lutas
teu silêncio
- estrondo -
luta?