SEGUIR POR E-MAIL

domingo, 28 de março de 2010

Saudade em si maior

À Denise



O som azedo

E cinza dos olhos

Teus... olhos teus

Longe assim dos

Meus... olhos meus

É o que me emudece a pele das mãos

E me afoga o veneno do olhar

Se se olhar assim sem o seu

domingo, 14 de março de 2010

Será que é um stand up?

Lamento, mas não tenho nenhuma história para contar. Nem piada. Aliás, muito menos piada. Não, eu não sou acrobata, também. E se fosse? Qual o problema com acrobatas? Detesto gente preconceituosa! É só falar que é acrobata e todo mundo já imagina você lá, na esquina, no farol fechado, jogando bolinha para cima. Não sou acrobata, mas se fosse, assumiria, e daí? Ninguém tem nada com isso, as bolinhas são minhas, jogo onde eu quiser. Cantar? Eu? Só se fosse a gostosa ali da primeira fila. E para falar a verdade, acho que nem essa cantada ia dar certo, eu ia acabar desafinando. E sem essa de bossa-nova, nem João Gilberto nem Nara Leão, povo chato, sou muito mais Wilson Simonal e Toni Tornado. Aliás, alguém aí sabe que fim levou o Toni Tornado? Furacão a gente até ouve falar, terremoto, agora, é todo dia, mas tornado, ainda mais negão e com nome de Toni a gente não vê nem ouve falar já faz tempo. O quê? Se sou jogador de futebol? Ah, sim, claro, sou sim, e isso aqui, minha filha, isso aqui é um estádio, entendeu? Um estádio. Quem achou que era um teatro se enganou, é um estádio. Do lado de cá ficam os porcos, ali, atrás os peixes, ali, no fundo, se maquiando, os sãopaulinos e, esses aí, gritando assalto, são, é claro, os corinthianos. Detesto piada de futebol! Detesto! São sempre preconceituosas e mentirosas! Quem disse que todo sãopaulino é viado? Hein? E todo corinthiano é bandido? Quer dizer que se eu for viado e quiser torcer para o Palmeiras, não posso? É isso? Não posso? E seu eu sou viado e me candidato a deputado e ganho? Hein? Não posso mais torcer para o São Paulo, tenho que virar corinthiano?!? Ah, que coisa chata isso de ser torcedor! Quer saber? Eu não tenho time de futebol nenhum. O único esporte que eu torço é o tênis de mesa. Ping pong é o caralho! O nome é tênis de mesa! Por acaso alguém chama o tênis de ping pong de quadra? Hein? Então, é tênis de mesa! Torço pra caralho! Na última partida que eu fui, saí de lá direto para o ortopedista! Sei lá, deu um troço chamado hérnia de disco no pescoço, acho que foi de ficar virando a cabeça de um lado para o outro. Acho que foi porque quando o médico perguntou se eu era o próximo paciente, eu disse sim com a boca e não com a cabeça e o cara, confuso, queria me encaminhar para outro especialista. Ele disse, eu só cuido do pescoço, da cabeça tem que ser outro médico. Sai fora!

Não sou ator também não. Não sei decorar nada, sabe? Eu ia esquecer tudo, eu me conheço. Sei lá, tipo, na hora de dizer eu te amo eu ia parar no te, sabe? Imagina: eu te... eu te... eu te... Sai fora! Ator é tudo atormentado, isso sim.

Na verdade, eu sou o cara do estacionamento, sabe? Eu sou o valete, como dizem por aí. Se eu pudesse mesmo queria ser o rei, o rei de paus, imagina, eu - o rei do pau, hehe, eu ia ser o cara! As minas tudo atrás de mim. Mas não, em vez disso, sou só o valete. Bom, eu só subi aqui para avisar vocês que tem um negócio fazendo tic e tac dentro de um carro preto lá embaixo, e faz tic e faz tac e faz tic e faz tac e cada hora mais rápido. E, sei lá, sabe, o chefe disse que é um carro bomba e fugiu, que o carro ia explodir e o caralho, eu só vim dizer que se explodir, eu não tenho nada com isso, hein. Eu só estacionei o carro, caramba. A bomba já estava lá. Não, porque tudo é culpa do coitado do valete, se eu fosse o rei não era assim. Eu não pus a bomba lá, entendeu? Como eu não tenho história nenhuma, então, eu vou embora, antes que a bomba me exploda junto com esse prédio todo que, aliás, é um teatro sim, viu, burra, um teatro, não é um estádio.

Ela é mudo?

- Amor, é uma mulher, presta atenção no cabelo. É de verdade, não é peruca.
- Como se não existisse homem de cabelo comprido! É lógico que ele é homem.
- Você está louca! É uma mulher. E uma mulher muito bonita, aliás.
- Ah, é!?! É um travesti! Quer dizer que você está gostando de travesti agora, Ronaldinho?
- Que isso?
- Você não a achou bonita?
- Sim, uma mulher bonita. Mu-lher, ouviu?
- É homem, seu burro! Olha o pescoço dele. Ele tem aquilo que os homens têm. Como é que chama?
- Gogó?
- Ai, acho horrível esse nome! Gogó. Parece coisa de galo! Mas é isso mesmo, olha lá! Mulher não tem aquilo!
- Eu não estou vendo nada. Ela é toda delicada, é uma mulher.
- Delicada ou exagerada, hein? Mulher é mais natural, não mexe tanto no cabelo, não gesticula tanto.
- Ah, não? Então sua mãe é um travesti também?
- Olha o respeito com a minha mãe, seu... seu... seu catador de travesti!
- Fala baixo, mulher! O que é isso? As pessoas ouvem e até acreditam.
- Vamos ver. Vamos lá, vamos passar bem perto dele ou dela, sei lá, e ouvir a voz. Quero só ver. Não dá para disfarçar a voz. Homem tem voz de homem.
- Bem que eu desconfiava do seu irmão, com aquela vozinha.
- Cala a boca e vamos lá.
(...)
- Como eu ia adivinhar? Como?
- Viu, por isso ela gesticula tanto! Ela não é travesti, coitada, ela é muda!
- Mesmo assim, ainda acho que ela é homem! É mu-doooo!
- É muda! Mu-daaaa!
- É. Ela é muda e você é cego. Ce - go!
- De verdade? Tem hora que eu queria ser mesmo é surdo!

KEH TC?

- oi, keh tc cmg
- oi, o que você disse? Não entendi.
- heiiiiiinnnnn?
- Que língua é essa?
- Ki lg eh esa?
- Do you speak English?
- : (
- Habla Español?
- heiiiiiiinnnnnn?
- (...)
- keh tc cmg?
- (...)
- kd vc? tc cmg : (
- Desculpe, eu não entendo essa língua. No understands! No hablo
- ????
- ????
- naum vai tc?
- Naum é seu nome?
- hah???????? Vai si fd!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!
- ok, Vai si fd para você também, Naum, beijo. Fui!

Coitado do coelho

Quando a raposa olhou o rabo tinha um rabo de coelho
E o coelho quando olhou tinha um rabo de galinha
E o coelho, inconformado, disse, então, desesperado...
Mas galinha nem tem rabo! Mas galinha nem tem rabo!

E a galinha desrabada, feliz, batendo asa,
Disse rindo em gargalhada
Rabo tenho, sim, senhor,
Espere só até sentir
O que é que dele vai sair


                                                                          cócócó cócócó

Cóóóitado do cóóóelho
Perdeu o rabo pra raposa
do galo virou esposa
e em vez de pum, minha nossa!
agora ele só vai fazer cócó
                                                                         cócócó cócócó

VATAPÁ

Corre um boato cá do lado de cá
que o lado de lá não é igual ao de cá


e que o povo de lá é o povo de lá
e que o povo de cá é o povo de cá

e se se misturar
                           eu sei lá o que vai dar
e se se misturar
                           vai virar vatapá

segunda-feira, 8 de março de 2010

SER POETA SEM SER

Ah, esta luta esta labuta
Cá estou num avesso de digestão a gerir palavras em vão!
Ah, a crueldade do poema!
A dor de cada verso
A dor de saber-se assim
Imperfeito assim
Assim feio...

Por que não calar de vez a voz?
Por que insistir assim?
Édipo cego sem pai sem mãe sem luz
Em busca de ver com mãos e bocas a poesia que me habita e que me falta
Está em mim, sombra em mim...
Mas não é minha, não de mim
Se a toco de leve foge, se a estupro finge-se de morta e eu, enfim
Finjo-me assim
De poeta sem ser.