SEGUIR POR E-MAIL

sexta-feira, 16 de julho de 2010

SEM PESO NEM PAUSA

Como calar meus ouvidos e mergulhar em mim se ao meu redor, o mundo faz barulho como quem geme? Pessoas arrastam pés pesados por ruas de pedras. Ao meu redor, pausas e pesos - tudo é ruído - tudo me rói.
Se eu calasse os ouvidos - talvez - esquecesse quem sou. Talvez esquecessem que sou.
A liberdade é muda.
No vácuo dos corpos na hora do gozo só o paladar fala - vozes já não há - por isso minha sempre ânsia de gozar. Não é o prazer que me geme - é só a dor de saber que depois do gozo meus ouvidos de novo se abrirão e de novo me estuprarão outros ruídos. Quisera viver gozando eternamente- sem peso nem pausa.

2 comentários: