Pular para o conteúdo principal

As pessoas

As pessoas me dizem o que fazer - o tempo todo. Como devo amar - quando devo odiar. Tenho de guardar dinheiro - tenho de comprar casa - escrever isso - estudar aquilo. Não posso esquecer não posso lembrar não posso fingir. Dizem que devo emagrecer, devo engordar - tenho de comer a pessoa certa, ouvir a música da rádio, assistir ao show de pé, sentado, de pé, ajoelhado, de pé, sentado, amém. As pessoas me cansam - ditam-me como ser como não ser como estar como me consumir, em quem votar, que hora rir quando chorar - há quem diga a hora de cagar a hora de dormir de sentir solidão de querer sumir. Dizem como devo dançar, que não sei cantar, que não sei me vestir, que não sei me maquiar. Dizem que não é assim que se vive que não é assim que se ama que não é assim. Chega! Qualquer dia grito um chega e saio da vida de um jeito que ninguém aprovaria! 
Dane-se! 
É o meu jeito de dizer dane-se! Se eu quiser matar eu mato se eu quiser me matar me mato! Dane-se

Comentários

  1. Forte o seu texto, e você tem toda razão, pois muitas vezes acabam mesmo ditando regras, ensinado, querendo nos mostrar o que fazer e como fazer. É tudo muito chato mesmo, é muito difícil, às vezes, não sermos a gente mesmo.

    ResponderExcluir
  2. as vezes me CANSO de não ser compreendida, de me fazerem calar, de calar e consentir, de muitas vezes insistir, de cansar e desistir...
    me sinto meio perdida... tudo o que você escreveu é perfeito, como se fosse uma roupa feita sob medida, que eu vesti e não consigo mais me libertar.

    ResponderExcluir
  3. Não se mate, por favor...e faça o que quiser como bem entender;
    Ia aproveitar pra falar que a gente precisa marcar algum passeio...mas ia voltar ao texto...
    Beijãao

    BRUNO SOARES DE OLIVEIRA

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

INSINUAÇÃO

Cabe um brevíssbimo eco no fim do último olhar ...
Pouco antes do jamais.
Entre o agora e o talvez.

Mas este eco pode ficar assim calado
Durar noites inteiras de lua cheia e chão vazio
Ou somente olhar o mar e dentro dele o navio
Eternamente a afundar...

Não sei.

Prefiro assim:
Deixo escorrer do olho o olhar
E só
 - nem eco nem silêncio -
Tudo mera insinuação.






TARDE DEMAIS

Desço, só, o desfiladeiro sombrio de mim mesmo
Amanheço veias cansadas como rios sujos
Amanheço velhas pancadas no ouvido surdo
Amanheço, mas só porque me amanhece o dia já quase sem manhã...

Amanheço na marra, à forca, a fórceps
Amanheço à espera da nova noite noiva
Que me desposará pra fora do que me fala quando me falha a fala.

Amanheço.
Não. Não amanheço de fato
Antes escureço
É dia no meu fuso e eu escureço

Escureço enquanto o dia, lá fora de mim
Exerce seu papel mesmo e mesmo aos outros que não eu...
Enquanto o mundo escorrega sombras
Eu, sozinho, mudo e morto
Me mudo nu pro quarto dos fundos
Depois dos muros já velhos de perdas e escombros
Num sopro turvo, no último assombro já há muito esquecido

Na cortina cerrada que me escurece o palco, o quarto e eu...
Num resto de socorro gasto...
No tarde demais.

E a noite amortece câimbras.

SE O RELÓGIO...

Se o relógio só pode marcar um instante a cada instante...
Vive, pois, de matar e desmatar instantes o relógio

É como a queda
d'água parada diante da própria queda
ou como o paraquedas
aberto depois do fim da queda

É como o suicida que desiste do suicídio embaixo do trem
ou a viúva que insiste no esposo depois do último palmo de terra

Se o relógio só marca o agora
então ele nada marca
O ponteiro do segundo
é um eterno atraso lento
somado a um pra sempre amanhã
é o intervalo
entre o fôlego e o afogamento
a ponte entre o nunca e o tanto faz
a janela aberta pra dentro
o piano sem cordas
a corda no pescoço morto
a pena na mão muda
a derradeira palavra vã
que dita é poeira no vento
e muda é poesia sem ventre...
é nada

Se o relógio só marca o agora
ele,
então,
marca o nada.