SEGUIR POR E-MAIL

terça-feira, 8 de abril de 2014

NUMA NOITE DE ABRIL





Há anos vivo assim de sobreviver
e da esperança nunca vã
de novamente te rever

Em mim, tudo mudou
e às vezes, confesso
mal sei quem sou


Quando partiste era noite
e, desde então, uma longa noite
veio morar dentro de mim
Só agora posso de novo enxergar
que há, na noite dos meus dias,
uma estrela por mim a brilhar

E no escuro do céu da minha noite
brilhas para me guiar na vida
como fazias quando ainda era tão pouca
a minha pequena grande vida...

Não choro mais a tua falta
agora espero lento
o dia alegre da minha volta
pra dentro do teu ninho
- onde eu nunca,
de verdade, 
deixei de estar
- agora eu sei.







Nenhum comentário:

Postar um comentário