SEGUIR POR E-MAIL

terça-feira, 29 de janeiro de 2013

VERBO IRREGULAR




"Olha, com você não vale a pena gastar sequer um acento... Então, vou te mandar embora da minha vida agora sem vírgulas nem exclamações. Mantenho as reticências, não para que pense em voltar - jamais - mas para que eu não me esqueça do mal que você me fez e nem do mal que eu mesma me fiz ao deixá-lo abrir parênteses em minha vida."

"Você não merece que eu gaste nenhuma crase com essa sua sintaxe mal feita, essa sua concordância mal acabada. Nunca mereceu meus objetos – nem diretos nem indiretos - meus beijos, minhas mãos nos seus pelos intransitivos de manhã. Não. E eu não quero que me responda com citações de Clarice! Menos ainda de Hilda Hilst! Se é para me dizer o que pensa, então, por favor, aprenda, primeiro a pensar por si mesmo."

“E se um dia, você se atrever a pensar em voltar – cheio de infinitivos como agora – abra o livro de gramática que lhe dei e decore a conjugação de um verbo irregular antes. Só então volte pra mim.”

Nenhum comentário:

Postar um comentário