SEGUIR POR E-MAIL

sexta-feira, 4 de julho de 2014

PARTIR




A parte de mim que se abre e canta
não é a mesma que, em prantos, lamenta...
nem é aquela que senta e pondera
ou a que espera a pedra do tempo 
passar

A parte de mim que se cobre à toa
não é a mesma que, aos saltos, entoa
uma canção doida de desninar
nem é a que desespera e levanta
ou a que aguenta o vento a chuva
levar



A parte de mim que avoa
é a parte melhor de mim
é a que me faz maior que eu
que me isca e me anzol
que me calça e me descansa

Esta parte que - vez ou outra - 
me mora
é o que o meu nome chama
quando me chama paixão
quando me espia 
me arrepia
quando me tira o chão...



Nenhum comentário:

Postar um comentário