SEGUIR POR E-MAIL

quinta-feira, 27 de setembro de 2012

O VELHO NINHO

No frágil do passarinho
pousei o peso de um passado
- assim - impossível de passar

Em cada asa o passarinho
pôs um sonho não sonhado
Nos pés levou meus dias
Nas costas minhas noites
e nos olhos um sorriso
que ficou - assim -  por ser sorrido

Voou mundo afora o passarinho
semeando mares com meus ais

Quando voltou me viu voando
refazendo o velho ninho
onde - sim - um dia fui feliz

Nenhum comentário:

Postar um comentário