SEGUIR POR E-MAIL

sábado, 27 de setembro de 2014

PRELÚDIO AO POEMA QUE NÃO HÁ



Foge-me a objetividade própria da palavra 

e, 
diante disso, o que me resta é o espaço 

infinito que me habita por dentro o ser e que, 

de repente, sufoca...





Nenhum comentário:

Postar um comentário